Cuidados com os pés do bebê

Os pés dos bebês sempre chamam atenção, por serem tão pequenos e delicados, e devem ser  cuidados desde cedo, por isso, as mamães precisam observar com atenção os pezinhos de seus bebês, principalmente na hora dos primeiros passos.

Até os 9 meses de idade, os pés são constituídos por uma cartilagem frágil e muito maleável, dando assim uma grande mobilidade e flexibilidade, sendo necessário um cuidado especial.

Sapatos precisam se encaixar perfeitamente aos pezinhos do bebê, de forma natural e confortável. Ao comprar um calçado, observe se o mesmo oferece segurança, se o calcanhar está bem encaixado e se os dedos não estão encostando no limite do bico.

Sapatos com bicos arredondados são os mais indicados para bebês e crianças até 5 anos, fase em que a estrutura muscular e óssea ainda está em desenvolvimento.

Bebês que ainda não andam e nem engatinham não têm a necessidade de calçar sapatos e meias, principalmente em dias quentes, deixá-los descalços é de extrema importância para que o crescimento e o desenvolvimento seja feito de maneira natural e segura.

Outro fator muito importante é a higiene e cuidados diários com os pés, secar bem entre os dedos após o banho e manter as unhas cortadas e limpas influenciam diretamente na saúde dos pés, além de variar os calçados usados e não deixar a criança muitas horas por dia com os mesmos.

As crianças não têm os anticorpos completamente fortalecidos, estando mais propensas a atrair doenças, por isso, lugares públicos como praias e piscinas são repletos de microrganismos nocivos à saúde, o cuidado ao deixar seu bebê andar descalço por esses lugares deve ser maior. 

Lembrando que a prevenção, vigilância e tratamento dos pés durante a infância evitará futuros problemas nos joelhos,quadril e coluna, garantindo a saúde e o bem estar do adulto, além de muitos anos a mais de boas caminhadas.

Anúncios

Pé chato

O “pé chato” como é chamado, é quando o arco normal do pé é menor ou não existe, o que faz com que a criança caminhe apoiando toda a planta do pé no chão.

A maior parte dos bebês nascem com o pezinho chato, e acredite, isso é normal, pois o arco ainda não se desenvolveu completamente e também, por terem mais gordura na parte de cima dos pés, nos dando a impressão de aplanamento.

Com o crescimento, normalmente ocorre mudanças na forma do pé da criança, mas em alguns casos, persiste até a idade adulta. Até os dois anos de idade a musculatura ainda está se formando e as primeiras visitas ao ortopedista devem ser feitas nesta mesma época.

O diagnóstico completo só pode ser feito após os cinco anos, quando o desenvolvimento muscular da criança já está completo.

Andar descalço, na ponta dos pés, caminhar na areia, correr, praticar ballet e andar de bicicleta são ótimos aliados na hora de ajudar a formar o arco do pé, tendo uma intervenção cirúrgica somente se a criança sentir dores intensas nos pés e já ter tentado tratamentos mais simples.

Enquanto os ossos da criança estiverem crescendo, o “pé chato” pode ser corrigido sem nenhum tratamento específico, levando em conta a necessidade de estimular a musculatura do pé, sem forçar a capacidade da criança.

Delícia da semana: Escalda-pés

Você pode ter momentos de descanso e relaxamento no seu dia, de forma simples e rápida.

O Momento Delícia do Nasce, vai trazer uma dica por semana para você testar.

momento delícia escalpa-pés gestantes nasce porto alegre

Os pés e pernas são partes do corpo que ficam bem cansadas durante a gestação. Fazer um  escalda-pés no final do dia ajuda a relaxar e diminui o inchaço e as dores que podem surgir.

Pegue uma bacia ou balde com um pouco de sal grosso, coloque água quente, a mais ou menos 37°C. Você ainda pode colocar óleos essenciais, como o de lavanda, que ajuda ainda mais a equilibrar o sistema nervoso, aliviar dores de cabeça e diminuir a insônia.

Coloque na água um chá, como o de camomila usando as flores, ou mesmo o saquinho, que também é uma ótima opção para trazer mais relaxamento.

O ideal é que você use um balde, para mergulhar a perna até os joelhos. No fundo dele, coloque pedras arredondadas ou bolinhas de gude para massagear a sola dos pés.

Cerca de 20 minutos é o suficiente para que você consiga um resultado de relaxamento e bem-estar.

Seque bem os pés, aplique um hidratante e procure mantê-los aquecidos.

 

Leia também:

Inchaço na gestação: como evitá-lo?

A influência dos pés na gestação

A influência dos pés na gestação

Poucas pessoas dão a real importância que os pés merecem, afinal são eles que nos proporcionam o direito de ir e vir, e se não são usados na sua totalidade, a estabilidade corporal é afetada diretamente.

Se o pé está com o seu formato fisiológico preservado e possui um bom apoio sem interferências de sapatos apertados que o deformam, provavelmente a pessoa terá uma postura mais alinhada e um bom equilíbrio ao se locomover.

Para as gestantes, manter um bom apoio dos pés é extremamente importante.

Michael Sharman via Compfight cc

Conforme a gravidez evolui essa ajuda se faz necessária e essencial, principalmente para que a mulher possa sustentar com mais equilíbrio o peso extra que está carregando temporariamente.

Tente fazer um teste simples: tire os sapatos e procure manter o equilíbrio em um pé só. O seu peso oscila pelas diferentes partes do pé.  Sinta como está o triângulo entre o primeiro e quinto dedos e o calcanhar. Preste atenção no pé como um todo e não a soma das suas partes.

Observe seus pés:

Observe seus pés descalços. O pé se alarga na frente, pois o número de ossos aumenta de um a cinco. As bordas laterais do pé são oblíquas, se afastando na frente. O bordo externo é retilíneo e o interno possui o arco plantar. Os dedos devem estar cada um no seu lugar, sem sobreposições, alongados (a articulação dos dedos não deve estar “dobrada”) e com espaço entre eles (dedos em leque). O segundo dedo do pé deve olhar para frente, assim como os joelhos.

pe

Observe, também, o seu tornozelo. Essa articulação possui uma estrutura formada pela união de três ossos: tíbia, fíbula e tálus. Manter a estrutura anatômica do pé em sua plenitude reflete diretamente no alinhamento da perna e, consequentemente no quadril e ombros. Ou seja, a maneira como você pisa irá se manifestar nas demais articulações do seu corpo.

Os cuidados:

Conforme a gravidez avança e devido ao ganho de peso natural nessa fase, a pressão sobre os calcanhares aumenta. Além disso, com o crescimento do útero e do bebê, ocorre maior compressão das veias da região do abdome, dificultando o retorno do sangue das pernas para o coração. É por essa razão que os pés ficam tão inchados nessa fase.

E, se a gestante já possuía algum tipo de comprometimento nos pés (como joanete, calosidades, artrite e artroses, fasceíte plantar, etc.), as dores podem aumentar com o decorrer dos meses.

Algumas dicas são importantes para aliviar esses desconfortos:

1. Evitar usar sapato com salto alto, calçados confortáveis e baixos são os mais recomendados;

2. Evitar ficar muito tempo na mesma posição durante o dia. Ficar muito tempo em pé sobrecarrega calcanhares e costas e ficar muito tempo sentada dificulta a circulação nos membros inferiores;

3. Ao chegar em casa no final do dia, elevar os pés um pouco acima do tronco com os joelhos flexionados. Isso ajuda no retorno venoso, diminuindo os inchaços.

Durante a gestação a postura da mulher se adapta para receber o seu bebê em desenvolvimento. E essas alterações ocorrem em todas as articulações, músculos e tendões. E é claro que os pés não estão fora desse contexto!

Antiginástica® propõe uma reflexão minuciosa sobre essas mudanças tão significativas, inclusive de como seus pés estão posicionados e de que maneira eles interferem em toda sua postura. Os movimentos sugeridos nas sessões dão mais autonomia e liberdade, garantindo maior percepção de sua pisada e maior leveza ao caminhar. Você sentirá a diferença não só nos membros inferiores. Seus ombros, sua nuca e sua respiração sentirão da mesma maneira esses benefícios. Vale a pena experimentar!

Como os pés influenciam nossa postura na gestação

Poucas pessoas dão a real importância que os pés merecem, afinal são eles que nos proporcionam o direito de ir e vir, e se não são usados na sua totalidade, a estabilidade corporal é afetada diretamente.

Se o pé está com o seu formato fisiológico preservado e possui um bom apoio sem interferências de sapatos apertados que o deformam, provavelmente a pessoa terá uma postura mais alinhada e um bom equilíbrio ao se locomover.

Para as gestantes, manter um bom apoio dos pés é extremamente importante.

Conforme a gravidez evolui essa ajuda se faz necessária e essencial, principalmente para que a mulher possa sustentar com mais equilíbrio o peso extra que está carregando temporariamente.

Tente fazer um teste simples: tire os sapatos e procure manter o equilíbrio em um pé só. O seu peso oscila pelas diferentes partes do pé.  Sinta como está o triângulo entre o primeiro e quinto dedos e o calcanhar. Preste atenção no pé como um todo e não a soma das suas partes.

Observe seus pés:

Observe seus pés descalços. O pé se alarga na frente, pois o número de ossos aumenta de um a cinco. As bordas laterais do pé são oblíquas, se afastando na frente. O bordo externo é retilíneo e o interno possui o arco plantar. Os dedos devem estar cada um no seu lugar, sem sobreposições, alongados (a articulação dos dedos não deve estar “dobrada”) e com espaço entre eles (dedos em leque). O segundo dedo do pé deve olhar para frente, assim como os joelhos.

pe

Observe, também, o seu tornozelo. Essa articulação possui uma estrutura formada pela união de três ossos: tíbia, fíbula e tálus. Manter a estrutura anatômica do pé em sua plenitude reflete diretamente no alinhamento da perna e, consequentemente no quadril e ombros. Ou seja, a maneira como você pisa irá se manifestar nas demais articulações do seu corpo.

Os cuidados:

Conforme a gravidez avança e devido ao ganho de peso natural nessa fase, a pressão sobre os calcanhares aumenta. Além disso, com o crescimento do útero e do bebê, ocorre maior compressão das veias da região do abdome, dificultando o retorno do sangue das pernas para o coração. É por essa razão que os pés ficam tão inchados nessa fase.

E, se a gestante já possuía algum tipo de comprometimento nos pés (como joanete, calosidades, artrite e artroses, fasceíte plantar, etc.), as dores podem aumentar com o decorrer dos meses.

Algumas dicas são importantes para aliviar esses desconfortos:

1. Evitar usar sapato com salto alto, calçados confortáveis e baixos são os mais recomendados;

2. Evitar ficar muito tempo na mesma posição durante o dia. Ficar muito tempo em pé sobrecarrega calcanhares e costas e ficar muito tempo sentada dificulta a circulação nos membros inferiores;

3. Ao chegar em casa no final do dia, elevar os pés um pouco acima do tronco com os joelhos flexionados. Isso ajuda no retorno venoso, diminuindo os inchaços.

Durante a gestação a postura da mulher se adapta para receber o seu bebê em desenvolvimento. E essas alterações ocorrem em todas as articulações, músculos e tendões. E é claro que os pés não estão fora desse contexto!

A Antiginástica® propõe uma reflexão minuciosa sobre essas mudanças tão significativas, inclusive de como seus pés estão posicionados e de que maneira eles interferem em toda sua postura. Os movimentos sugeridos nas sessões dão mais autonomia e liberdade, garantindo maior percepção de sua pisada e maior leveza ao caminhar. Você sentirá a diferença não só nos membros inferiores. Seus ombros, sua nuca e sua respiração sentirão da mesma maneira esses benefícios. Vale a pena experimentar!

Escreva seu endereço de email para receber atualizações.

Junte-se a 1.177 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: