Problemas de pele que as gestantes enfrentam durante o inverno

Durante a gestação é bem comum que as mamães notem algumas manchas em sua pele, ou até um certo escurecimento de algumas partes do corpo, como dos mamilos, das axilas e da linha média abdominal. Isso acontece devido às alterações hormonais na qual estão passando.

A pele da gestante tende a ser mais ressecada do que o normal, principalmente depois do segundo trimestre de gravidez, e nesse quesito, o tempo frio que é tão amado pelas mamães que dormem melhor e não sofrem tanto com inchaços nesta temporada, se torna o maior inimigo da pele.

O inverno é uma estação que maltrata a pele da maioria das pessoas, mas especialmente das gestantes, que devem ter um cuidado especial com sua pele, prevenindo o aparecimento de manchas e estrias ao longo da gestação.

Para evitar principalmente o ressecamento da pele, os cuidados com o banho são fundamentais, eles não devem ser demorados nem muito quentes. Além disso, o uso de hidratantes é essencial, pois a pele desidratada apresenta maior facilidade ao aparecimento de estrias.

É importante também que não haja o esquecimento do uso do filtro solar, mesmo em dias frios e chuvosos, pois temos que levar em conta que os raios UV estão presentes mesmo quando o sol não está tão forte sobre nós.

O uso de roupas com 100% algodão são uma alternativa de prevenção, já que  tecidos mistos e sintéticos acabam prejudicando a transpiração, podendo ocasionar coceira e brotoejas.

Procure um médico especialista para que ele possa avaliar a pele e indicar o uso de produtos adequados para cada fase da gestação, sugerindo uma alimentação saudável e o consumo de bastante água, que ajudará na hidratação.

Anúncios

Cafeína na gestação

A cafeína é uma das substâncias mais consumidas no mundo, e ao contrário do que muitos pensam, não está presente apenas nas xícaras de café, mas nos refrigerantes de cola, nos chás, chocolates e algumas medicações.

Cerca de 95% das mulheres grávidas ingerem cafeína diariamente, seja através da alimentação ou de alguma medicação, se tornando importante considerar os efeitos que essa substância traz para mamãe e para o bebê.

Há estudos de que o consumo exagerado de cafeína pela mulher durante a gestação pode aumentar as chances de o bebê nascer antes do tempo, com baixo peso e aumenta o risco de aborto.

As futuras mamães não precisam se alarmar pensando que devem parar completamente de ingerir cafeína, pois o consumo da mesma, em doses baixas, não traz prejuízos para a gravidez e nem para o desenvolvimento do bebê. Uma mulher grávida pode consumir até 300mg de cafeína por dia, o equivalente a quatro xícaras de café solúvel (75 mg de cafeína por xícara) ou três de café fresco ou ainda 400 gramas de chocolate.

O nosso organismo leva de quatro a seis horas para eliminar os efeitos da cafeína no corpo, a mulher grávida leva 18 horas para fazer o mesmo.

A cafeína é um estimulante que aumenta o seu ritmo cardíaco e o metabolismo, o que consequentemente afeta a forma que o bebê se sente. Embora esse tipo de estímulo, constante, não seja saudável para o bebê, breves momentos não chegam a fazer mal.

O cafezinho está liberado, desde que em doses controladas, mas o ideal é sempre consultar o médico para que o consumo da cafeína não prejudique sua gravidez e o seu bebê.

Pé chato

O “pé chato” como é chamado, é quando o arco normal do pé é menor ou não existe, o que faz com que a criança caminhe apoiando toda a planta do pé no chão.

A maior parte dos bebês nascem com o pezinho chato, e acredite, isso é normal, pois o arco ainda não se desenvolveu completamente e também, por terem mais gordura na parte de cima dos pés, nos dando a impressão de aplanamento.

Com o crescimento, normalmente ocorre mudanças na forma do pé da criança, mas em alguns casos, persiste até a idade adulta. Até os dois anos de idade a musculatura ainda está se formando e as primeiras visitas ao ortopedista devem ser feitas nesta mesma época.

O diagnóstico completo só pode ser feito após os cinco anos, quando o desenvolvimento muscular da criança já está completo.

Andar descalço, na ponta dos pés, caminhar na areia, correr, praticar ballet e andar de bicicleta são ótimos aliados na hora de ajudar a formar o arco do pé, tendo uma intervenção cirúrgica somente se a criança sentir dores intensas nos pés e já ter tentado tratamentos mais simples.

Enquanto os ossos da criança estiverem crescendo, o “pé chato” pode ser corrigido sem nenhum tratamento específico, levando em conta a necessidade de estimular a musculatura do pé, sem forçar a capacidade da criança.

Gravidez e tabagismo

Já estamos cansados de saber o quanto fumar faz mal a saúde, mas as futuras mamães devem ter um cuidado especial quanto a isso, já que as substâncias presentes no cigarro não prejudicam só elas.

Mas parece que essa conscientização ainda precisa de uma atenção especial, visto que  87% das fumantes que engravidam não abrem mão do cigarro durante a gestação.  

O tabagismo pode causar sérias complicações ao bebê, que ainda na barriga, absorve o que está no sangue da mãe.

Uma mulher fumante além do oxigênio no sangue, passa para a criança o monóxido de carbono, que é liberado na fumaça do cigarro, sem contar a nicotina, que estreita os vasos sanguíneos, dificultando a passagem de nutrientes e oxigênio para o bebê.

Estes problemas causam problemas no desenvolvimento, risco de parto prematuro e problemas respiratórios.

A gravidez em si já traz para a mãe algumas complicações como a hipertensão e a diabetes gestacional, porém, uma mulher fumante pode enfrentar durante a gestação problemas como hemorragias, dores fortes de cabeça, destruição de nutrientes e ainda sofrer um aborto espontâneo.

Filhos de fumantes possuem uma capacidade pulmonar duas vezes menor do que de filhos de gestantes que não fumaram durante a gravidez. Quanto maior o número de cigarros consumidos ao dia, maior são as chances do bebê apresentar mudanças no organismo.

Não fumar é o ideal!
As mulheres que se preparam para ser mães, o recomendado é que deixem de fumar pelo menos 6 meses antes da gestação, para assim garantir a sua saúde e a do seu filho.

 

Fraldas na praia e na piscina

A nossa primavera já está bem quente e o verão está a caminho, para se refrescar os pequenos são apresentados a piscina e a praia. Para manter a higiene e a saúde do seu bebê não corra o risco tirando a fralda dele nesses lugares.

Em uma pesquisa feita no site CRESCER, 52% dos pais levaram as crianças a praia quando a criança tinha entre 6 meses e 1 ano; 30% entre 1 e 2 anos. Segundo os especialistas, a primeira ida à praia pode acontecer a partir dos 6 meses. No entanto, é preciso cuidados com a pele, alimentação e higiene da criança.
Fonte: http://revistacrescer.globo.com/

fraldas-na-praia-e-na-piscina-blog-nasce-centro-de-atendimento-a-gestante-porto-alegre

Crianças que ainda não tiraram a fralda devem usar as fraldas próprios para água quando forem nadar em piscinas ou praias. O objetivo aqui, além de zelar pela higiene, é evitar acidentes constrangedores. Afinal, piscina e praia são locais compartilhados por várias pessoas e a fralda retém tanto o xixi quanto o cocô.

As fraldas para usar na água são melhores nessa situação pois elas não encharcam. Fraldas normais logo se enchem de água e perdem sua capacidade de absorver o xixi. Além disso, ao ficarem volumosas e pesadas,dificultando os movimentos do bebê.

Este modelo foi projetada com uma camada externa impermeável e as bordas elásticas justas, bloqueando assim a passagem da água de fora para dentro e evitando que a fralda encharque. Assim, a camada absorvente da parte interna da fralda consegue reter o cocô e o xixi.

Cuidado com a areia

A areia é foco de agentes que podem causar infecções nas partes íntimas do bebê, principalmente nas meninas. Por isso, deixe o seu filho brincar na areia com fralda e shorts. Na hora de trocar a fralda, faça a limpeza com água doce e algodão, suavemente. Se a quantidade de areia no corpo do bebê for muito grande, é importante lavá-la com água em abundância. Evite usar lenços umedecidos ou fraldas de algodão para fazer a limpeza, pois esses itens criam atrito com a pele e podem machucá-la com as pedrinhas de areia.

Fonte de pesquisa: http://bebe.abril.com.br/familia/praia-e-piscina-qual-a-fralda-mais-apropriada-para-esses-lugares/

Fertilidade: cerclagem uterina

A cerclagem uterina é o tratamento para a insuficiência istmo cervical. A cirurgia é feita através da vagina e tem a função de suturar o colo do útero para que ele segure o feto até que esteja pronto para nascer.

Isso ocorre porque, para a mulher gerar um bebê, após a fecundação do óvulo, o colo do útero dela se fecha. Porém, algumas mulheres apresentam uma falha neste fechamento e, para corrigir este problema, permitindo que o bebê continue se desenvolvendo, geralmente há a indicação de um procedimento denominado cerclagem uterina.

Na prática, a cerclagem é um ponto que se dá no colo do útero deixando-o mais fechado para que ele segure o feto até que ele esteja pronto para nascer. Após o parto o fio da sutura é retirado.

O melhor período para que este procedimento seja realizado é entre a 12ª e a 16ª semanas de gestação. Normalmente é um procedimento rápido e de baixa complexidade. A internação dura em média 12 horas e a exigência é apenas o repouso da gestante.
Fertilidade cerclagem uterinaA cerclagem uterina é uma intervenção de baixo risco tanto para mãe quanto para o bebê, pois ele não influi na via de nascimento do bebê. Se não existir nenhum outro agravante, não é indicado a cesárea. É melhor esperar o organismo da mulher entrar em trabalho de parto.

Escreva seu endereço de email para receber atualizações.

Junte-se a 1.185 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: