Volume muito alto pode prejudicar a audição do bebê

Quando a família aumenta, ter uma vida mais calma e livre de muita agitação é essencial para o bebê, pois além de ficar mais calmo evita problemas auditivos que podem estar relacionados a volumes muito altos ao seu redor.

O sistema auditivo é um órgão sensorial extremamente delicado e passível de lesões se for muito carregado, principalmente em bebês, que têm uma sensibilidade auditiva muito apurada. A célula ciliada do ouvido interno do bebê sofre com o ruído excessivo e isso pode acabar levando à sua destruição.

Embora não exista uma forma de diferenciar a audição infantil da adulta, os danos causados pelo volume muito alto com certeza são mais preocupantes nos bebês.

Especialistas dizem que, quanto mais cedo acontece uma lesão, mais tempo a pessoa carrega durante a vida, isso porque esse prejuízo é irreversível.

Não existe medicação ou cirurgia capaz de consertar. Por conta disso, acaba sendo muito grave uma lesão desse nível em um uma criança ainda tão nova, sendo necessário em muitos dos casos, o uso do aparelho auditivo.

Cuidar para que seus filhos não fiquem expostos a sons muito altos, seja por pouco ou muito tempo, é importante para garantir que eles tenham uma boa audição, evitando sempre lugares muito barulhentos, como festas com música altas e barulhos de trânsito intenso.

Se for inevitável fugir de locais com barulho excessivo, o ideal é proteger os ouvidos da maneira certa. Muitos pais tendem a usar o algodão para tapar o canal auditivo, mas isso não garante a vedação necessária do som.

Uma opção é usar fones de ouvido de boa qualidade que preservam a audição da criança de forma que o incômodo diminua. Lembrando que, assim que o bebê apresentar algum desconforto auditivo, a visita ao médico é indispensável.

Dia do Pediatra

A pediatria nasceu em 1722, na Suíça, quando o médico Theodore Zwinger notou que os sinais e sintomas de uma mesma doença que acomete tanto a criança como o adulto são diferentes na forma e no conteúdo.

Publicou uma obra ao redor do seu estudo, a Paedoiatreia— as doenças na infância, o que gerou mais tarde a palavra “Pediatria”.

O Dia do Pediatra é celebrado em 27 de julho, pois nessa data, em 1910, foi criada a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Seus objetivos maiores e indissociáveis têm sido a saúde na infância e na adolescência, e a valorização do pediatra como especialista diferenciado para cuidar desse determinado grupo. Contamos com mais de 22 mil pediatras associados, provando que a credibilidade foi alcançada.

O responsável pela saúde do seu bem mais valioso merece a nossa eterna gratidão. A equipe do Nasce deseja a todos os pediatras um dia muito feliz aos especialistas que tratam com amor e por amor! ❤

Cuidados de higiene: cera de ouvido

A higiene dos ouvidos dos bebês é essencial para evitar infecções e problemas que podem prejudicar o desenvolvimento auditivo e da linguagem da criança.

A pergunta frequente das mamães é o que é ou não normal quando falamos da cera de ouvido do bebê, já que é algo muito comum, pois a cera do ouvido é uma substância natural que ajuda a proteger o canal auditivo.

O ouvido do bebê pode ser limpo todos os dias depois do banho, com essa rotina, o canal auditivo ficará sempre livre de excesso de cera que podem provocar infecções.

É indicado o uso de uma toalha, uma fralda de pano ou uma gaze para a limpeza do ouvido da criança, lembrando que esta deve ser feita somente por fora da orelha,sem penetrar nunca no canal auditivo e evitando sempre o uso dos cotonetes.

A cera de ouvido se torna um problema quando o canal do ouvido da criança fica entupido de cera, podendo causar uma diminuição na audição, dores de ouvido e coceira. A cera normal é fina e possui uma cor amarelada.

Caso ocorra uma produção de cera em excesso no ouvido da criança, a visita ao consultório médico para fazer uma limpeza torna-se inevitável.

O nosso ouvido é “autolimpante” e na maioria dos casos o excesso de cera é eliminado naturalmente, assim acontece com os bebês. Para prevenir o excesso de cera e diminuir o risco de infecções, é importante que a criança esteja sempre bem hidratada e consulte um especialista sempre que necessário.

Pé chato

O “pé chato” como é chamado, é quando o arco normal do pé é menor ou não existe, o que faz com que a criança caminhe apoiando toda a planta do pé no chão.

A maior parte dos bebês nascem com o pezinho chato, e acredite, isso é normal, pois o arco ainda não se desenvolveu completamente e também, por terem mais gordura na parte de cima dos pés, nos dando a impressão de aplanamento.

Com o crescimento, normalmente ocorre mudanças na forma do pé da criança, mas em alguns casos, persiste até a idade adulta. Até os dois anos de idade a musculatura ainda está se formando e as primeiras visitas ao ortopedista devem ser feitas nesta mesma época.

O diagnóstico completo só pode ser feito após os cinco anos, quando o desenvolvimento muscular da criança já está completo.

Andar descalço, na ponta dos pés, caminhar na areia, correr, praticar ballet e andar de bicicleta são ótimos aliados na hora de ajudar a formar o arco do pé, tendo uma intervenção cirúrgica somente se a criança sentir dores intensas nos pés e já ter tentado tratamentos mais simples.

Enquanto os ossos da criança estiverem crescendo, o “pé chato” pode ser corrigido sem nenhum tratamento específico, levando em conta a necessidade de estimular a musculatura do pé, sem forçar a capacidade da criança.

Agenda Nasce | Dezembro 2016

No dia 10 de dezembro esperamos as futuras mães e pais para dois workshop cheios de amor e cuidados. Em ambos você vai conseguir diminuir a sua ansiedade da espera e se preparar melhor para esse grande encontro.

agenda-dez

Quando?

10 de dezembro de 2016

O que?

9h – Workshop Cuidados com o recém-nascido

Este workshop oportuniza aos futuros pais e mães adaptarem-se aos seus novos papéis, receberem e revisarem informações acerca da experiência do nascimento e cuidados com o bebê, tornando-os mais confiantes em suas habilidades como pais e melhor sintonizados com as necessidades desse novo ser.

Temas abordados:

  • Cuidados imediatos ao nascimento (sala de parto)
  • Acolhendo e compreendendo as necessidades do bebê
  • Aprendendo na Prática: higiene e conforto (banho, troca de fraldas e cuidados com o coto umbilical)

14h – Workshop de Shantala

Com a fisioterapeuta Ana Carolina Müller, a Shantala será apresentada para as mães e pais como mais uma técnica para conectar mãe e bebê (ou pai e bebê), através do toque que transmite confiança, carinho e força para o pequeno que está descobrindo o mundo.

Como?

Inscrições e mais informações pelo telefone: (51) 3334 4503.

Onde?

Nasce Centro de Atendimento à Gestante – Rua Gustavo Schmitt, 580, Três Figueiras – Porto Alegre/RS

Fraldas na praia e na piscina

A nossa primavera já está bem quente e o verão está a caminho, para se refrescar os pequenos são apresentados a piscina e a praia. Para manter a higiene e a saúde do seu bebê não corra o risco tirando a fralda dele nesses lugares.

Em uma pesquisa feita no site CRESCER, 52% dos pais levaram as crianças a praia quando a criança tinha entre 6 meses e 1 ano; 30% entre 1 e 2 anos. Segundo os especialistas, a primeira ida à praia pode acontecer a partir dos 6 meses. No entanto, é preciso cuidados com a pele, alimentação e higiene da criança.
Fonte: http://revistacrescer.globo.com/

fraldas-na-praia-e-na-piscina-blog-nasce-centro-de-atendimento-a-gestante-porto-alegre

Crianças que ainda não tiraram a fralda devem usar as fraldas próprios para água quando forem nadar em piscinas ou praias. O objetivo aqui, além de zelar pela higiene, é evitar acidentes constrangedores. Afinal, piscina e praia são locais compartilhados por várias pessoas e a fralda retém tanto o xixi quanto o cocô.

As fraldas para usar na água são melhores nessa situação pois elas não encharcam. Fraldas normais logo se enchem de água e perdem sua capacidade de absorver o xixi. Além disso, ao ficarem volumosas e pesadas,dificultando os movimentos do bebê.

Este modelo foi projetada com uma camada externa impermeável e as bordas elásticas justas, bloqueando assim a passagem da água de fora para dentro e evitando que a fralda encharque. Assim, a camada absorvente da parte interna da fralda consegue reter o cocô e o xixi.

Cuidado com a areia

A areia é foco de agentes que podem causar infecções nas partes íntimas do bebê, principalmente nas meninas. Por isso, deixe o seu filho brincar na areia com fralda e shorts. Na hora de trocar a fralda, faça a limpeza com água doce e algodão, suavemente. Se a quantidade de areia no corpo do bebê for muito grande, é importante lavá-la com água em abundância. Evite usar lenços umedecidos ou fraldas de algodão para fazer a limpeza, pois esses itens criam atrito com a pele e podem machucá-la com as pedrinhas de areia.

Fonte de pesquisa: http://bebe.abril.com.br/familia/praia-e-piscina-qual-a-fralda-mais-apropriada-para-esses-lugares/

Você conhece a síndrome do bebê sacudido?

Alguma pessoas podem achar que você está sendo exagerada no cuidado com o seu filho, mas não é mito, os bebês são muito frágeis e alguns movimentos podem ser extremamente prejudiciais para a saúde da criança.

01 - blog

Nós sabemos como é maravilhoso embalar o seu bebê no colo. E quando ele dá aquela risada durante a brincadeira do aviãozinho, onde ele realmente acha que está voando, não é mágico? Mais saiba que existe uma síndrome que pode ser desencadeada por conta de movimentos abruptos realizados no bebê. A síndrome do bebê sacudido ocorre quando a criança passa por movimentos bruscos nos quais é sustentada pelas extremidades ou pelos ombros, que podem alterar a coluna com traumas na região cervical e também causar sangramentos cerebrais.

Alguns pediatras entendem que não existe uma medida de força para embalar ou brincar com a criança. O que acontece é que, se a criança estiver com uma pequena contração no músculo, mesmo que em repouso, dependendo da chacoalhada poderá causar traumas na região cervical.

Mesmo que na maioria dos casos isso não ocorra em brincadeiras, mas em episódios de violência familiar, é preciso estar atento aos detalhes. Alguns pais inocentemente tentam acalmar o bebê que está chorando com um embalo mais forte. Mas, muitas vezes, elas podem ficar sonolentas não por causa do chacoalho, mas por que desenvolveu-se um pequeno edema cerebral.

Quando se trata de bebês, todo cuidado é pouco. Não se preocupe com o julgamento e as opiniões das pessoas, você não precisa deixar de brincar com o seu filho. Mas é realmente importante não jogar a criança para cima ou erguê-la pelo braço por conta do perigo que isso pode apresentar.

Atento aos sinais de um bebê prematuro

Os bebês prematuros se comunicam através de atitudes simples, como a respiração e o choro. É preciso estar atento e tentar entender o que está acontecendo para poder ajudá-lo.

Atento aos sinais de um bebê prematuro nasce mother care

Veja alguns sintomas:

A respiração normal de um bebê deve se situar entre as 30 e 40 respirações por minuto, ser regular e tranquila. No início, o bebê internado pode respirar através de um ventilador. Às vezes o seu peito treme discretamente impulsionado pelo ar que é vibrado pelo ventilador. Por cima deste movimento ritmado e artificial, o bebê apresenta movimentos torácicos inspiratórios e expiratórios. À medida que ele vai ficando mais forte irá respirar de forma independente e adquirir um padrão mais regular e eficaz. Por vezes, podem surgir alterações na profundidade das inspirações e no ritmo e revelar intranquilidade, cansaço ou ainda que está acordado.

Quando a respiração é mais acelerada, o bebê pode estar tentando compensar alterações fisiológicas dos níveis de gases sanguíneos, ou então pode surgir como resposta ao estresse ou ao desconforto. Quando lenta, o bebê pode estar cansado ou necessitar de ajustes nos parâmetros do ventilador. A apneia da prematuridade é uma condição fisiológica comum em prematuros com menos de 32 semanas de idade gestacional, em que o bebê faz pausas prolongadas (mais de 20 segundos) na respiração. Deve-se à imaturidade do sistema nervoso central, sobretudo do centro respiratório.

Os recém-nascidos tendem a ter uma coloração mais avermelhada. Por vezes surgem áreas de pele mais pálida como a volta do nariz ou orelhas, ou um tom azulado em torno dos olhos ou boca.

O feto apresenta muitos movimentos importantes para o desenvolvimento, estica as pernas e os braços de encontro às paredes uterinas, leva as mãos à face e pode cruzar os dedos. Alguns destes movimentos parecem acalmar o bebê prematuro.


É importante estar atento às posições que revelam tensão como arqueamento das costas, os braços e pernas esticados para longe do corpo, ou, se, pelo contrário, estiver deitado no leito sem energia. Estas posições podem sugerir que o bebê está desconfortável, com dor, ou que quer mudar de posição.

As expressões faciais do bebê também podem nos dizer muito do que ele sente. Se as bochechas estão caídas, com a boca aberta e o queixo caído, isso poderá significar que está cansado. As caretas e o choramingar revelam desconforto. A expressão descontraída, parecendo que o rosto se ilumina ou parecendo atento, indica que ele está gostando da companhia. Se franzir a testa e arquear as sobrancelhas, ele está definitivamente interessado na sua voz e quer se comunicar.

É importante saber reconhecer o estado de alerta para que sejam respeitados, sobretudo, os seus momentos de repouso, ou a sua necessidade de repousar quando começa a ficar irrequieto, irritado ou, então, mostrar sinais de cansaço e distanciamento.

O feto dorme a maior parte do tempo enquanto está dentro do útero materno, por issoé importante deixar o prematuro dormir o máximo possível. O sono profundo é importante para o crescimento do bebê e o seu restabelecimento.

Como identificar o refluxo nos bebês?

Refluxo nos bebês é uma queixa frequente, especialmente nos primeiros meses de vida. Na maioria dos casos, as regurgitações são banais e têm um pico de incidência aos 4 meses.

A imaturidade do sistema digestivo do bebê e a mistura das refeições à base de leite com o ácido do estômago, provoca a subida do ácido para o esófago e causando o refluxo.
Além disso, bebês podem ter refluxo porque uma válvula que conecta o esôfago ao estômago, chamada esfíncter, está enfraquecida ou ainda por não estar funcionando direito, permitindo que alimentos e sucos gástricos voltem do estômago em direção à boca.

Como identificar o refluxo nos bebês.pub

Sintomas que podem sugerir que o bebê sofre de refluxo:

Estagnação ou perda de peso;

Irritabilidade durante ou após as refeições;

Dor de estômago;

Fadiga;

Regurgitação;

Tosse;

Recusa ou dificuldade em aceitar o alimento;

Choro persistente.

Como posso ajudar?

Eleve a cabeça do bebê durante a refeição, mesmo amamentando você deve deixá-lo com uma leve inclinação da cabeça para frente. Mantenha-o de pé enquanto arrota, não alimentar o bebê antes de dormir e não o deitar imediatamente após a refeição.

Dê menos quantidade de leite a cada refeição e aumente o número de refeições, assim você facilita a digestão e ajuda a diminuir o refluxo.

Se está amamentando, a mãe deve evitar alimentos açucarados, café e produtos lácteos.

Massagear suavemente a barriga do bebê é outra forma de acalmá-lo e ajudar na digestão.

Cuidados com o récem-nascido | Dezembro 2015

Encerraremos o ano de 2015 com o workshop Cuidados com o Recém-Nascido e gostaríamos de te ver por aqui para ampliar os seus conhecimentos.

No sábado, dia 19 de dezembro, das 9h às 12h iremos receber a enfermeira obstétrica Lisiane Quaresma para ministrar o workshop com informações e relatos de sua vivência com os récem-nascidos.

Este workshop oportuniza aos futuros pais e mães adaptarem-se aos seus novos papéis, receberem e revisarem informações acerca da experiência do nascimento e cuidados com o bebê, tornando-os mais confiantes em suas habilidades como pais e melhor sintonizados com as necessidades desse novo ser.

recem nascido

Temas abordados:

  • Cuidados imediatos ao nascimento (sala de parto)
  • Acolhendo e compreendendo as necessidades do bebê
  • Aprendendo na Prática: higiene e conforto (banho, troca de fraldas e cuidados com o coto umbilical)

 

Quando?

19 de dezembro – sábado – 9h às 12h

 

Como?

Inscrições e mais informações: (51) 3334 4503

 

Onde?

Nasce Centro de Atendimento à Gestante

Rua Gustavo Schmitt, 580, Três Figueiras, Porto Alegre.

%d blogueiros gostam disto: