Fimose no bebê

A fimose se trata de uma condição bem comum nos primeiros anos de vida do menino, onde a pele do prepúcio, cobertura de pele que cobre o pênis, nasce grudada na glande, fechando o mesmo.

Quase 100% dos bebês de sexo masculino, nascem com fimose e, esse quadro naturalmente muda conforme a criança vai crescendo e essa “pele” vai desgrudando.

O quadro da fimose é completamente natural e temporário, porém, quando ele não some até o final da infância, um médico especialista deve ser procurado para evitar problemas à saúde ao decorrer da vida do homem.

Até o primeiro ano de vida, a maioria das crianças não apresentam mais fimose, ou seja, a pele do prepúcio já desgrudou completamente da glande. No entanto, essa retração pode ocorrer até os três primeiros anos de vida do bebê.

Se neste período de três anos para frente não seja notada alteração no quadro, rotula-se a Fimose Verdadeira e, neste caso, a intervenção cirúrgica é comum entre os 7 e 10 anos do menino.

É importante lembrar que exercícios de retração da pele à força que algumas mamães fazem para que a fimose desapareça podem causar microtraumatismos, dor, inflamações e até sangramentos. Isso pode piorar a fimose já que a cicatriz das lesões leva a um estreitamento maior do anel do prepúcio.

Anúncios

Refluxo em bebês

O refluxo acontece quando uma válvula que conecta o esôfago ao estômago, chamada esfíncter, ainda não amadureceu o suficiente e não fecha corretamente. Isto permite que o conteúdo do estômago volte para o esôfago, em direção à boca.

Cerca de 40 por cento de todos os bebês apresentam algum tipo de refluxo, porém,  apenas uma pequena porcentagem se torna um problema sério e persistente.

O refluxo pode ser classificado como um incômodo temporário, pois geralmente, melhora à medida que o aparelho digestivo do bebê amadurece.  

Alguns fatores contribuem para o refluxo ser algo tão frequente em bebês, como o fato de ficarem deitados a maior parte do tempo e ter uma dieta composta apenas por líquidos. Bebês que nasceram prematuros também tem maiores chances de ter refluxo.

 O bebê pode regurgitar ou golfar um pouco de leite depois de mamar ou até acabar vomitando de vez em quando, isso é comum, mas em alguns casos, no entanto, regurgitam em grande quantidade, chegando a afetar seu ganho de peso, causando dores de garganta e até problemas respiratórios, o que já indica um quadro bem mais sério de refluxo.

Se você observar que o bebê não está ganhando peso, chora após a mamada, estiver vomitando com frequência e mostrando desconforto na barriga e garganta, a visita ao médico deve se tornar urgente.

O diagnóstico do refluxo pode ser apenas clínico, por isso, indicamos que leve a consulta uma espécie de relatório do refluxo do seu filho, relatando por exemplo a hora que ele mama, quantas vezes e quais são as reações após.

É sempre importante ficar bem atenta aos bebês com refluxo, principalmente com o seu ganho de peso, procurando um médico que irá auxiliar em um tratamento para aliviar o desconforto do bebê. 

Volume muito alto pode prejudicar a audição do bebê

Quando a família aumenta, ter uma vida mais calma e livre de muita agitação é essencial para o bebê, pois além de ficar mais calmo evita problemas auditivos que podem estar relacionados a volumes muito altos ao seu redor.

O sistema auditivo é um órgão sensorial extremamente delicado e passível de lesões se for muito carregado, principalmente em bebês, que têm uma sensibilidade auditiva muito apurada. A célula ciliada do ouvido interno do bebê sofre com o ruído excessivo e isso pode acabar levando à sua destruição.

Embora não exista uma forma de diferenciar a audição infantil da adulta, os danos causados pelo volume muito alto com certeza são mais preocupantes nos bebês.

Especialistas dizem que, quanto mais cedo acontece uma lesão, mais tempo a pessoa carrega durante a vida, isso porque esse prejuízo é irreversível.

Não existe medicação ou cirurgia capaz de consertar. Por conta disso, acaba sendo muito grave uma lesão desse nível em um uma criança ainda tão nova, sendo necessário em muitos dos casos, o uso do aparelho auditivo.

Cuidar para que seus filhos não fiquem expostos a sons muito altos, seja por pouco ou muito tempo, é importante para garantir que eles tenham uma boa audição, evitando sempre lugares muito barulhentos, como festas com música altas e barulhos de trânsito intenso.

Se for inevitável fugir de locais com barulho excessivo, o ideal é proteger os ouvidos da maneira certa. Muitos pais tendem a usar o algodão para tapar o canal auditivo, mas isso não garante a vedação necessária do som.

Uma opção é usar fones de ouvido de boa qualidade que preservam a audição da criança de forma que o incômodo diminua. Lembrando que, assim que o bebê apresentar algum desconforto auditivo, a visita ao médico é indispensável.

Meningite neonatal

A meningite é uma inflamação da membrana que recobre o cérebro, existindo a meningite viral e a bacteriana. Ao contrário do que muitos pensam, pode sim ocorrer em recém-nascidos, mesmo a incidência da doença sendo bem baixa, aproximadamente um caso a cada mil nascidos.

Quando a doença ocorre nos primeiros dias de vida, geralmente está relacionada à contaminação do recém-nascido com bactérias através do canal do parto. As mães desses bebês possivelmente apresentam complicações durante a gestação, como febre, líquido amniótico com mau cheiro, infecção da placenta, ou infecção urinária.

Quando a meningite se manifesta mais tarde, após o sétimo dia de vida, a infecção pode ter sido  adquirida através do contato com pessoas contaminadas ou material infectado. A bactéria chega até a circulação sanguínea, e atinge o Sistema Nervoso Central, causando a meningite.

Devido à imaturidade do sistema imunológico, o recém-nascido apresenta maior sensibilidade à infecção, pois seus mecanismos de defesa contra a invasão bacteriana são menos desenvolvidos em relação às crianças maiores, por isso, a doença tende ser mais perigosa nos primeiros meses de vida.

Os sintomas da meningite são, muitas vezes semelhante a uma gripe, como a recusa alimentar, febre, pescoço rígido, dor de cabeça, náuseas, aversão à luz, manchas vermelhas ou arroxeadas na pele e dores no corpo.

Os especialistas orientam os pais a procurar ajuda médica assim que sentirem que o bebê não está bem, os recém-nascidos também podem apresentar sintomas como moleira estufada, olhar parado e pele pálida, manchada ou azulada, ser difíceis de acordar e se recusar a mamar.

Embora a mortalidade das crianças com meningite bacteriana neonatal tenha diminuído nos últimos anos, a frequência de sequelas é alta, mantendo-se entre 15 e 68%, por isso, é importante que a doença seja diagnosticada e tratada ainda no início, além se serem recomendada a vacinação contra o meningococo do tipo B, ainda nos primeiros meses, prevenindo a contaminação.

Importância de o bebê engatinhar

O ato de engatinhar ajuda a fortalecer os músculos do bebê para que depois ele seja capaz de andar, e é o primeiro modo de se locomover por conta própria.

Se torna também muito importante para o desenvolvimento e amadurecimento psicológico da criança, que irá conhecer melhor o seu próprio corpo e suas capacidades de se movimentar sem a ajuda dos pais.

A maioria dos bebês aprende a engatinhar entre os 6 e os 10 meses, mas há crianças que nem chegam a engatinhar, preferindo rolar, arrastar-se sentadas ou ficar direto em pé com algum apoio.

Para as crianças, se locomover é a parte importante, não interessa de que forma.

Para estimular a locomoção do bebê dentro de casa, pode ser usado objetos que ele goste ou até mesmo a presença da mãe fora do seu alcance mas em seu campo de visão, isso vai ajudá-lo a ficar mais confiante, além de reforçar sua velocidade e sua agilidade.

Não deixe a criança brincando sozinha!

Nesta fase ele está se sentindo livre para explorar novos espaços e pode ser exposta a perigos dentro de casa, então o ideal é verificar desníveis no piso, fechar tomadas, tomar cuidado com móveis que a criança pode vir a bater a cabeça e principalmente estar sempre por perto.

Cada bebê desenvolve suas habilidades em ritmos diferentes, porém, se a criança chegar a 1 ano de idade sem demonstrar nenhum interesse em se locomover (seja se arrastando, engatinhando ou rolando), ou não tiver descoberto como mexer os braços e as pernas num movimento semelhante, o pediatra deve ser comunicado.

Lembrando também que bebês que nasceram prematuros podem atingir esse e outros marcos do desenvolvimento vários meses depois que as outras crianças da mesma idade.

Cuidados com os pés do bebê

Os pés dos bebês sempre chamam atenção, por serem tão pequenos e delicados, e devem ser  cuidados desde cedo, por isso, as mamães precisam observar com atenção os pezinhos de seus bebês, principalmente na hora dos primeiros passos.

Até os 9 meses de idade, os pés são constituídos por uma cartilagem frágil e muito maleável, dando assim uma grande mobilidade e flexibilidade, sendo necessário um cuidado especial.

Sapatos precisam se encaixar perfeitamente aos pezinhos do bebê, de forma natural e confortável. Ao comprar um calçado, observe se o mesmo oferece segurança, se o calcanhar está bem encaixado e se os dedos não estão encostando no limite do bico.

Sapatos com bicos arredondados são os mais indicados para bebês e crianças até 5 anos, fase em que a estrutura muscular e óssea ainda está em desenvolvimento.

Bebês que ainda não andam e nem engatinham não têm a necessidade de calçar sapatos e meias, principalmente em dias quentes, deixá-los descalços é de extrema importância para que o crescimento e o desenvolvimento seja feito de maneira natural e segura.

Outro fator muito importante é a higiene e cuidados diários com os pés, secar bem entre os dedos após o banho e manter as unhas cortadas e limpas influenciam diretamente na saúde dos pés, além de variar os calçados usados e não deixar a criança muitas horas por dia com os mesmos.

As crianças não têm os anticorpos completamente fortalecidos, estando mais propensas a atrair doenças, por isso, lugares públicos como praias e piscinas são repletos de microrganismos nocivos à saúde, o cuidado ao deixar seu bebê andar descalço por esses lugares deve ser maior. 

Lembrando que a prevenção, vigilância e tratamento dos pés durante a infância evitará futuros problemas nos joelhos,quadril e coluna, garantindo a saúde e o bem estar do adulto, além de muitos anos a mais de boas caminhadas.

Cuidados de higiene: cera de ouvido

A higiene dos ouvidos dos bebês é essencial para evitar infecções e problemas que podem prejudicar o desenvolvimento auditivo e da linguagem da criança.

A pergunta frequente das mamães é o que é ou não normal quando falamos da cera de ouvido do bebê, já que é algo muito comum, pois a cera do ouvido é uma substância natural que ajuda a proteger o canal auditivo.

O ouvido do bebê pode ser limpo todos os dias depois do banho, com essa rotina, o canal auditivo ficará sempre livre de excesso de cera que podem provocar infecções.

É indicado o uso de uma toalha, uma fralda de pano ou uma gaze para a limpeza do ouvido da criança, lembrando que esta deve ser feita somente por fora da orelha,sem penetrar nunca no canal auditivo e evitando sempre o uso dos cotonetes.

A cera de ouvido se torna um problema quando o canal do ouvido da criança fica entupido de cera, podendo causar uma diminuição na audição, dores de ouvido e coceira. A cera normal é fina e possui uma cor amarelada.

Caso ocorra uma produção de cera em excesso no ouvido da criança, a visita ao consultório médico para fazer uma limpeza torna-se inevitável.

O nosso ouvido é “autolimpante” e na maioria dos casos o excesso de cera é eliminado naturalmente, assim acontece com os bebês. Para prevenir o excesso de cera e diminuir o risco de infecções, é importante que a criança esteja sempre bem hidratada e consulte um especialista sempre que necessário.

Pé chato

O “pé chato” como é chamado, é quando o arco normal do pé é menor ou não existe, o que faz com que a criança caminhe apoiando toda a planta do pé no chão.

A maior parte dos bebês nascem com o pezinho chato, e acredite, isso é normal, pois o arco ainda não se desenvolveu completamente e também, por terem mais gordura na parte de cima dos pés, nos dando a impressão de aplanamento.

Com o crescimento, normalmente ocorre mudanças na forma do pé da criança, mas em alguns casos, persiste até a idade adulta. Até os dois anos de idade a musculatura ainda está se formando e as primeiras visitas ao ortopedista devem ser feitas nesta mesma época.

O diagnóstico completo só pode ser feito após os cinco anos, quando o desenvolvimento muscular da criança já está completo.

Andar descalço, na ponta dos pés, caminhar na areia, correr, praticar ballet e andar de bicicleta são ótimos aliados na hora de ajudar a formar o arco do pé, tendo uma intervenção cirúrgica somente se a criança sentir dores intensas nos pés e já ter tentado tratamentos mais simples.

Enquanto os ossos da criança estiverem crescendo, o “pé chato” pode ser corrigido sem nenhum tratamento específico, levando em conta a necessidade de estimular a musculatura do pé, sem forçar a capacidade da criança.

Como lavar os cabelos do bebê?

Especialmente nos primeiros meses lavar os cabelos do bebê pode causar um certo medo nas mães, porém com algumas informações não há o que temer.

É importante que você se certifique que o ambiente escolhido para dar o banho não tem correntes de vento. Pois a cabeça do pequeno é uma região de grande troca de calor, e seu filho passará frio se ficar com os cabelos molhados por muito tempo.

O melhor período do dia para o banho vai depender muito do comportamento do seu filho, alguns bebês ficam mais sonolentos após o banho, e por isso, recomenda-se um banho com lavagem dos cabelos no fim do dia.

No inverno e em dias mais fresquinhos, recomenda-se que as lavagens sejam feitas em dias alternados. Mas, se há crostas lácteas – aquelas casquinhas que descamam no couro cabeludo -, esse cuidado deve ser diário, pois a transpiração agrava o quadro.

Até o sexto mês, o duto auditivo da criança é mais reto, o que facilita a entrada de água no ouvido. Embora as principais causas de otite nessa fase estejam relacionadas a resfriados e a técnicas erradas de amamentação, é melhor não facilitar.

como-lavar-os-cabelos-do-bebe-nasce-centro-de-atendimento-a-gestante-porto-alegre
Veja algumas dicas mais pontuais para o banho:

1. Aqueça a água até atingir cerca de 36 a 37 graus.

2. Coloque o bebê na banheira e lave primeiro o rosto dele, apenas com água.

3. Apoie a cabeça da criança em uma das mãos posicionando seu dedo médio na entrada de um ouvido e o polegar no outro, para evitar a entrada de água.

4. Com a mão livre, aplique uma pequena quantidade de xampu deslizando os dedos delicadamente ao longo da cabeça.

5. Enxágue jogando água com a mão em concha, em pequenas quantidades, no sentido da testa para a nuca, sempre tomando cuidado para que não entre nenhuma gota no ouvido.

6. Termine o banho rapidamente e envolva o bebê em uma toalha, secando-o sem esfregar.

7. Depois de enxugar os cabelos, seque também a parte externa do ouvido, com um cotonete, e a parte de trás das orelhas, para evitar assaduras.

8. Dez minutos de banho é o limite para evitar o ressecamento da pele.

9. Use o sabonete líquido indicado pelo pediatra para o banho para lavar a cabeça da criança. Depois dos seis meses você pode escolher um xampu específico, prefira as fórmulas especiais para bebês, que não ardem em contato com os olhos e têm pH neutro.

 

Exames: Translucência nucal

Translucência nucal é um exame, realizado através do ultrassom morfológico. Seu principal objetivo é ajudar a detectar o risco de síndrome de Down e outras anomalias cromossômicas, além de problemas cardíacos.

Neste exame precisa ser feito entre 11 e 14 semanas de gravidez, pois a partir de 14 semanas não dá mais para fazer o exame, isso porque o espaço deixa de ser transparente na imagem do ultrassom.

Um espaço específico na nuca do bebê é medido, assim bebês que tenham alguma anomalia tendem a acumular mais líquido nessa região da nuca, por isso uma medida acima da média normal é considerada um possível indicador de algum problema.

Translucência-nucal-exame-sindrome-de-down-nasce-porto-alegre-gestante

Durante o mesmo exame, também se verifica a presença do osso nasal. A ausência desse osso pode ser mais um indicador de anormalidade.

Às vezes, o resultado da medida da translucência nucal é combinado com o resultado de um exame de sangue feito na mãe, gerando uma avaliação do risco da presença de alguma síndrome cromossômica.

Lembre-se! 

O exame de translucência nucal não é um diagnóstico, ele apenas dá indicações da possibilidade da presença de alguma síndrome ou malformação. Outras investigações serão feitas pelo seu médico com base no resultado dos exames.

%d blogueiros gostam disto: