Coleta de células tronco do cordão umbilical no momento do parto: saiba mais

por Lucia Mariano da Rocha Silla*

O Ministério da Saúde investiu milhões de reais na criação do Registro Brasileiro de Doadores de Medula Óssea e na Rede de Bancos de Sangue de Cordão Umbilical Públicos, para atender pessoas que necessitam de um transplante de medula óssea e que não têm doador familiar. A inclusão dos Bancos de Sangue de Cordão Umbilical Públicos no programa de registro aumentou a chance dos brasileiros de encontrar doadores compatíveis. A meta é a de que todos os que precisem sejam transplantados.

A existência de bancos de sangue de cordão umbilical privados é proibida em alguns países da Europa devido a questões ligadas à bioética. No entanto, naqueles países há equipes capacitadas para coletar as células-tronco de um grande número de recém-natos. Mesmo com a acelerada implantação de 13 bancos públicos no Brasil, ainda não dispomos de equipes de plantão 24 horas para atender diversas maternidades em uma única cidade.

doação de cordão umbilical células tronco nasce mother care

Até o momento, com as evidências existentes, não há razão para que um determinado cordão fique reservado apenas a seu dono ou família, já que apenas 4% do inventário de um banco de sangue de cordão umbilical serão efetivamente utilizados. Do ponto de vista científico, não foi ainda definida a importância das células-tronco de cordão na medicina regenerativa, pois as células-tronco adultas, disponíveis em todos nós, parecem ser igualmente eficientes. Assim, não se justificam os congelamentos alardeados pelo setor privado.

Células-tronco mesenquimais são um tipo particular de células-tronco, de produção relativamente simples e barata, presente em quase todos os órgãos e tecidos do nosso corpo e na “parede” do cordão umbilical. Estas últimas parecem ter propriedades superiores e vantagem na regeneração tecidual. Alguns bancos de sangue de cordão umbilical privados do centro do país estão incluindo no “cardápio de possibilidades”, oferecido em folhetos de marketing, a possibilidade de também congelar o cordão além das suas células. Com isto, o setor privado deve pelo menos dobrar os ganhos com o armazenamento.

Nos EUA, há evidências de que transplantes realizados com cordão de bancos privados vão significativamente pior dos que de públicos, possivelmente porque nos primeiros as condições de coleta, embalagem, congelamento e armazenamento são inferiores e heterogêneas. No Brasil, os bancos de sangue de cordão umbilical públicos tendem a ser melhores, principalmente por atenderem as normativas.

Não existem, até o momento, evidências que justifiquem o investimento de recursos para reservar o cordão umbilical de crianças para o futuro. E a reserva pode ser inútil, pois o produto pode ter deteriorado.

 

* Lucia Mariano da Rocha Silla é presidente da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea e coordenadora do Centro de Tecnologia e Terapia Celular do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.

via Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea 

Leia também:

Cordão umbilical: como cuidar?

Doação de Leite Materno

 

Anúncios

O que você acha disso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Escreva seu endereço de email para receber atualizações.

Junte-se a 1.171 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: