Conheça os diferentes tipos de parto

Parto normal, cesárea, natural… esses são os mais tradicionais, mas existem outros jeitos de dar à luz. Conheça as diferenças de casa tipo de parto para você ficar mais tranquila quando chegar a sua vez.

Parto normal: via vaginal, esse tipo de parto pode ter anestesia, episiotomia (corte que o médico faz no períneo para facilitar a saída do bebê) e indução das contrações por meio de soro. Fisiologicamente, todas as mulheres podem optar por este tipo, desde que não existam riscos para a mãe ou bebê, necessitando outros métodos. Com o parto normal, há menos chance de infecção materna e menor probabilidade de complicações respiratórias para o bebê no pós-parto. A recuperação é imediata.

Parto natural: o parto natural também é via vaginal, porém, nesse caso, nenhuma intervenção é feita. Como não há analgesia, pode não ser o ideal para quem é muito sensível à dor. Aqui, a recuperação também é imediata.

Parto na água: via vaginal. A mulher fica dentro de uma banheira com água aquecida a 36 ºC. Para algumas, o contato com a água proporciona conforto e alívio. Esse tipo não é recomendado para diabéticas, hipertensas ou parturientes com bebês grandes ou pequenos demais.

Parto de cócoras: o que muda em relação ao parto normal é a posição da mãe, que, em vez de ficar deitada, mantém-se de cócoras. A saída do bebê é mais rápida e cômoda devido à ação da gravidade. A posição provoca o alargamento natural da pélvis, aumentando a abertura para a saída da criança com menos dor.

Parto a fórceps: o obstetra utiliza um instrumento cirúrgico semelhante a duas colheres, o fórceps, que ajuda a retirar o bebê do canal vaginal. É um procedimento de emergência definido pelo obstetra. Aplica-se, por exemplo, quando há sofrimento fetal ou a mulher não consegue mais fazer força.

Cesárea: via transabdominal, é um procedimento cirúrgico. Após a anestesia, o médico corta várias camadas até chegar ao útero, onde o bebê é alcançado e retirado. Em seguida, a placenta é removida e o corte suturado. Segundo a Organização Mundial da Saúde, só deve ser utilizada quando há risco de vida ou de danos permanentes para a mãe ou o bebê. A cesárea pode acarretar maior ocorrência de infecções por ser uma cirurgia. O pós-parto é mais doloroso e o tempo de internação hospitalar também é maior.

 

Fonte: Bebê Abril

Anúncios

O que você acha disso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: