8 coisas que não contam sobre ser mãe

Ter um filho é tudo de bom. Bebês são adoráveis e é indescritível o orgulho e a felicidade que uma mãe sente ao ver o filho comer sozinho, caminhar e falar.

Mas tem outras coisitas que nem todo mundo comenta, sobre o lado nem tão bom da maternidade. Felizmente, para cada ponto negativo, há um aprendizado.

Quer ver?

1 – A sensação de nunca saber o que se está fazendo

Uma mãe aprende muito pelo caminho, mas quando você domina o conhecimento sobre cólica, já passou a fase. E quando você desenvolve uma tática infalivelmente prática para trocar fraldas sem fazer o bebê chorar, está na hora de deixá-las de lado. E, se você pensa: “Tudo bem, uso o que aprendi na próxima vez”, pense duas vezes, pois o próximo bebê pode ter uma personalidade totalmente diferente e exigir outras técnicas e cuidados.

Lado bom: Seu cérebro está constantemente sendo desafiado, e, de quebra, várias habilidades pessoais e manuais são desenvolvidas, o que pode ser usado em uma ida ao supermercado ou em um dia no escritório.

2 – Correr em círculos

Assim que algo está terminado, aparece outra coisa para fazer: amamentar, trocar fraldas, dar banho, amamentar, trocar fraldas… Para mães acostumadas a finalizar projetos e progredir na carreira, pode ser desgastante a repetição de tarefas.

Lado bom: Aprender que quando se compreende não ter controle sobre nada, você está no controle. E pode se acalmar e concluir que é mais fácil ir com a maré.

3 – Se sentir sem saída

Uma mãe faz de tudo para proteger seu filho, mas em algumas situações as coisas fogem do controle, como em uma briga de escola ou uma discussão no parquinho.

Lado bom: Respire fundo, você vai encontrar uma solução. Ou encontrar uma amiga que tenha passado pelo mesmo e possa ajudar.

4 – As respostas não são imediatas

Você vai dizer as coisas erradas, vai fazer as coisas erradas, mas pode parecer um peso saber que todas aquelas decisões tomadas em questão de segundos estão formando uma pessoa.

Lado bom: Conte até 10 antes de falar ou agir, assim você pode refletir um pouco mais. E, não se preocupe se errar! Se for o caso, peça desculpas, seu filho precisa entender que você é, também, um ser humano e que erros são permitidos.

5 – A perda da privacidade

Crianças abrem portas, gavetas, armários e fazem perguntas e comentários inapropriados. Seu filho estará sempre pronto para invadir qualquer cômodo da casa onde você esteja.

Lado bom: Se você usar essas situações para estabelecer limites, seus filhos aprenderão muito: a ter paciência, independência e a reconhecer a importância da privacidade.

6 – Em algum momento, filhos insultam os pais

Conforme uma criança se desenvolve, ela pode olhar aquela comidinha caseira que você levou horas para fazer, e comentar que odeia tudo aquilo e que é ruim. Em questão de minutos se vai de mãe do ano à lama.

Lado bom: Esses ataques não são pessoais. A criança não te odeia. Por volta dos 2 anos, por exemplo, os pequenos tendem a resistir à mudança pois querem se agarrar ao mundo que recém compreenderam. A não ser que esse comportamento persista, não se preocupe – e, se persistir, procure ajuda especializada.

7 – Ter que se afastar

Se você for controladora, é muito difícil não interferir no quebra-cabeças que está sendo montado ou amarrar os tênis você mesma.

Lado bom: Quanto menos você interferir, mais independente será a criança – e é assim que tem que ser – que se sentirá realizada ao completar uma tarefa sozinha. Alegre-se pelas conquistas de seu filho.

8 – Você só saberá se fez um bom trabalho daqui 20 ou 30 anos

Cada ação sua tem consequências, apesar de elas não aparecem rapidamente. É, até, possível ver para onde as coisas estão indo, mas você só saberá se criou uma pessoa de acordo com o que desejava quando ela for adulta.

Lado bom: Esse é o maior mistério da maternidade. É tanto dinheiro, tempo e amor investido naquela pessoa tão pequena e indefesa, mas você verá que é o melhor investimento da sua vida.

O que você acrescentaria a essa lista?

Anúncios

2 Respostas para “8 coisas que não contam sobre ser mãe

  1. Claudinha

    Adorei! É tudo isso…
    Eu acrescentaria além deste trabalho que não tem fim, o cansaço que não se mensura. E isso as outras mamães esquecem de nos contar! Eu também já me esqueci pois o amor que volta é infinito.
    Eu quis ficar sozinha, sem babá, sem ajuda. Fiquei submersa neste novo ser… e tinha dias que me esgotava e chorava no banho, de sono…
    Mas tudo vale a pena. Acho que além da minha profissão, minha vocação é ser mãe. Tanto é que já fiz minha próxima encomenda. Rapidinho!!

O que você acha disso?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Escreva seu endereço de email para receber atualizações.

Junte-se a 1.175 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: